Remédio caseiro para sinusite



Um excelente remédio caseiro para sinusite, seja ela aguda, crônica ou alérgica, é a inalação de eucalipto, pois ele possui propriedade expectorante e anti-séptica que alivia rapidamente a congestão nasal.  

Ingredientes

5 gotas de óleo essencial de eucalipto ou camomila
1 litro de água fervente
Modo de preparo

Colocar a água fervente numa bacia e adicionar as gotas do óleo essencial, que pode ser comprado em farmácias ou lojas de produtos naturais, e então, inalar o vapor do chá.

É importante respirar o vapor o mais profundamente possível por até 10 minutos, tendo o cuidado de cobrir a cabeça com uma toalha para garantir que respira somente este vapor. Deve-se repetir este procedimento de 2 a 3 vezes ao dia, durante a crise.

Outros remédios caseiros para sinusite

Outros bons remédios caseiros para sinusite são:

Colocar 2 gotas de óleo essencial de limão no travesseiro;
Fazer uma nebulização com soro fisiológico antes de dormir;
Pingar 1 gota da solução de buchinha-do-norte em cada narina, 2 vezes ao dia;
Fazer uma limpeza nasal 2 vezes ao dia com uma solução salina para sinusite que se compra na farmácia.

Para fazer a solução de buchinha-do-norte deve-se colocar 1 buchinha-do-norte num copo de água e deixar de molho toda a noite. 

Tratamento natural para sinusite

Uma das formas de combater os sintomas da sinusite é através de um tratamento natural feito à base de lavagens nasais com solução salina. Basta comprar, em uma farmácia, uma solução salina própria para a sinusite e introduzi-la em uma das narinas. Deixe que o líquido saia pela outra narina, enquanto prende a respiração.

Essa técnica irá ajudar a eliminar a secreção do nariz e dos seios paranasais, sendo uma importante forma de tratamento da sinusite, que não tem contraindicações e pode ser utilizada, até mesmo, durante a gravidez.

Remédios para sinusite

Alguns exemplos de remédios para sinusite são: Sinutab, uma combinação de drogas que aliviam os sintomas da sinusite, a Amoxiclina, que pode ser usado no tratamento da sinusite na gravidez, e a Azitromicina. Porém, esses remédios só devem ser utilizados sob orientação médica.

Sinusite tem cura

A sinusite é uma inflamação dos seios paranasais que provoca dor e incômodo. Mas, felizmente, a sinusite tem cura. Para alcançá-la, o que se deve fazer é seguir o tratamento recomendado pelo médico, que deve incluir a retirada total do líquido infectado, com o auxílio da inalação de vapor. Além disso, o tratamento inclui o uso de antibióticos e mucolíticos e a ingestão de bastante água, para fluidificar ainda mais a secreção, facilitando a sua retirada.

Em caso de sinusite alérgica, o médico deverá considerar o uso de anti-histamínicos.

DIA MUNDIAL DA PSORÍASE


Você sabe o que é psoríase? 29 de outubro é o Dia Mundial desta doença que não escolhe sexo ou idade e que ainda é desconhecida por muita gente. Apesar disso, ela já atinge cerca de 3% da população do país. 
“Qualquer pessoa pode desenvolver a psoríase, que é uma doença inflamatória crônica da pele caracterizada por lesões cutâneas avermelhadas e descamativas, com graus diferentes de intensidade, sendo que os locais mais atingidos são o couro cabeludo, cotovelos, joelhos e dorso. Em alguns casos, ela também pode aparecer em outros órgãos. Lesões nas unhas e articulações, por exemplo, podem surgir em 5 a 20% dos indivíduos acometidos”, explica a dermatologista Bárbara Moura, da Clínica Tez (DF).
No entanto, vale lembrar que a psoríase não é contagiosa, ou seja, nunca é adquirida pelo contato. “A causa da doença ainda não é totalmente esclarecida, mas fatores genéticos, ambientais e imunológicos estão implicados”, afirma. 
De acordo com a especialista, um dos principais problemas é que as lesões, além de causarem prejuízos à qualidade de vida dos portadores, podem ainda comprometer o quadro psicológico, quando interfere, por exemplo, na autoestima da pessoa. 
“A psoríase não tem cura, mas tem controle. O tratamento varia de acordo com a intensidade da doença. São várias as formas e opções de cuidados e a melhor escolha depende da avaliação do médico dermatologista e do diálogo com o paciente. Lesões isoladas são tratadas com medicamentos de uso local, como corticóides, calcipotriol e fototerapia. Casos mais extensos e com comprometimento articular necessitam de medicação oral com imunossupressores. Há ainda situações em que é preciso acompanhamento psicológico, quando o paciente está com baixa autoestima ou ainda quando o emocional é um dos fatores desencadeante da doença”, explica a Dra. Bárbara.
De acordo com a médica, é importante o paciente saber que seguindo as orientações do especialista ele pode ter uma vida normal. “É fundamental um diagnóstico antecipado e tratamento correto porque a psoríase evolui em surtos de novas lesões. O que acontece é que por falta de informação alguns doentes não procuram ajuda no tempo certo. Por isso, o alerta feito pela sociedade e a mídia para o dia 29 de outubro é muito importante para desmistificar a doença e fazer com que o portador da psoríase tenha melhor qualidade de vida”, conclui Bárbara Moura.

Razões para comer semente de ABÓBORA


1. São ricas em aminoácido triptofano, que no organismo se converte em serotonina, ajudando a garantir uma noite de sono bem tranquila. São, também, ricas em magnésio, relaxante natural benéfico para o coração;
2. Os seus altos níveis de proteínas facilmente digeríveis ajudam a estabilizar o açúcar do sangue quando consumida em pequenas quantidades ao longo do dia. A estabilização do açúcar no sangue ajuda, ainda, na perda de peso;
3. As sementes de abóbora são ricas em zinco mineral, que protege a próstata, sendo por isso um importante alimento para a saúde dos homens;
4. São uma boa fonte de ferro, contribuindo para a construção do sangue e aumento de energia;
5. Os seus compostos de fito-esterol ajudam a baixar os níveis de colesterol. Entre as nozes e vários tipos de sementes, as sementes de abóbora têm a segunda maior quantidade de esteróis (perto das sementes de girassol e pistache que ficam em primeiro);
6. São também alcalinizantes para o pH do corpo, ao contrário da maioria dos alimentos que formam ácidos no corpo. A acidez tem sido associada à dor, à doença e até mesmo ao cancro.

ESTUDO COMPROVA QUE ÁGUA EMAGRECE


Acabou a ladainha! Se você quer emagrecer, precisa beber água! E para quem insiste em acreditar que tal atitude pode não fazer tanta diferença, é bom ressaltar que um estudo realizado por uma equipe de cientistas alemães demonstrou, pela primeira vez, que beber água emagrece.

O estudo foi realizado pela clínica universitária Charité de Berlim e publicado na revista "American Journal of Clinical Nutrition". O resultado assegura que a ingestão de água reforça os efeitos de uma dieta de emagrecimento.
"Apesar de nas dietas normalmente ter sido recomendado beber muita água, até agora não havia nenhuma recomendação com base científica", disse a responsável da equipe de pesquisa, Rebecca Muckelbauer.
A partir da análise de cerca de 5.000 referências de diferentes bancos de dados de artigos científicos, os especialistas puderam comprovar que beber água efetivamente acelera os processos de emagrecimento quando se está fazendo uma dieta.
O estudo destaca a conclusão de uma série de dados sobre o sucesso de uma dieta em um grupo de idosos que aumentaram seu consumo médio de água.
As pessoas estudadas que aumentaram em um litro ao dia seu consumo de água emagreceram entre um e dois quilogramas mais que o grupo de controle, que manteve sem alteração a quantidade de líquido bebida.
O efeito de emagrecimento da água em combinação com uma dieta pode acontecer, segundo os cientistas, pela simples sensação física de saciedade com a ingestão do líquido e aceleração do metabolismo.

Barriga Chapada - TRATAMENTOS COMBATEM A GORDURA LOCALIZADA E A FLACIDEZ


Contagem regressiva para o verão! É nesta época do ano que o número de alunos matriculados nas academias quase dobra, as ruas ficam lotadas de pessoas correndo, caminhando e pedalando e, é claro, que as clínicas de estética aproveitam para faturar. Afinal, quem não quer estar em forma para exibir um corpo perfeito nas praias do Brasil?
Para o Dr. Edilson Pinheiro, cirurgião plástico de Fortaleza, estamos em processo continuo de envelhecimento, por isso, o ideal é manter uma alimentação equilibrada e um programa de atividade física que irão refletir os resultados diretamente no organismo. 
Porém, quando se trata de gordura localizada... Segundo ele, se ela já estiver instalada, é preciso uma boa avaliação com o cirurgião plástico ou dermatologista que indicarão o melhor tratamento para cada caso. “Independentemente do método escolhido, não existe milagre. É necessário dedicação e mudança de hábitos”, ressalta. 
Tratamentos combinados
Não há dúvidas, tanto homens quanto mulheres buscam um corpo saudável e bonito. É esta necessidade que faz o tratamento de redução de medidas ser tão procurado nos meses que antecedem os dias de calor intenso. 

De acordo com o cirurgião plástico Edilson Pinheiro, hoje, o tratamento que proporciona resultados mais efetivos no combate à gordura localizada ainda é a lipoaspiração, e para a flacidez na região abdominal o indicado é a abdominoplastia. 

“São tratamentos cirúrgicos com resultados mais rápidos e duradouros. Porém, se o paciente não desejar fazer a cirurgia pensando no pós-operatório que exige determinados cuidados, como não se expor ao sol, por exemplo, existem várias opções de tratamentos não invasivos que podem dar excelentes resultados, mas que demandam muita disciplina, pois irão requerer mudança na alimentação e inclusão de exercícios físicos regulares”, argumenta o especialista.
Neste processo de redesenhar o contorno corporal, é possível somar várias técnicas com o objetivo de potencializar os resultados. “Normalmente não existe apenas um procedimento ou aparelho que sozinho dê o resultado desejado. Em minha experiência de consultório, procuro associar dois ou três métodos”, explica ele. 
Nos casos de flacidez ou gordura localizada o ideal é utilizar, uma vez por semana, um aparelho de radiofrequência que em contato com a camada mais profunda da pele provoca a aceleração das moléculas de água e um aquecimento controlado (a temperatura do corpo é controlada e não gera nenhum desconforto ou dor). 
“O efeito imediato desse aquecimento é a contração das fibras de colágeno, e o resultado disso é a produção de mais colágeno pelo organismo para dar maior rigidez à pele, que é o objetivo do tratamento de flacidez. Somado à radiofrequência, indico a drenagem linfática, que deve ser realizada de uma a duas vezes por semana, além da carboxiterapia, que também ajuda na circulação”, destaca.
Na opinião do Dr. Edilson Pinheiro, a drenagem linfática é muito importante porque, além de ser um método saudável, já que as manobras aplicadas durante a massagem atuam como um poderoso agente desintoxicante, estimulam a circulação sanguínea liberando as toxinas retidas pelo organismo. A drenagem também facilita a penetração de várias substâncias que podem ser usadas durante as massagens no consultório e que em casa que vão agir nas camadas mais internas da derme e, como benefício adicional, ajuda a melhorar o aspecto da celulite.
Resultados
Alguns métodos prometem combater a gordura localizada e a flacidez, mas é importante alertar que, às vezes, um procedimento pode dar uma ótima resposta para um paciente enquanto que para outro o efeito não será o mesmo, porque cada organismo reage de maneira diferente e algumas pessoas são mais disciplinadas em relação à alimentação e atividades físicas, e ao próprio tratamento.  
“Em cada caso é preciso levar em consideração a genética e a intensidade do problema. É por isso que as respostas são tão individualizadas e imprevisíveis. Algumas  desistem no meio do caminho e dizem que aquele tratamento não  funciona porque chegam com uma expectativa de diminuir, no mínimo, 10 cm nas medidas. Elas precisam entender que isso não é uma cirurgia, e que a redução também é muito variável, pois dependerá muito do tipo de pele, genética. Dai a importância da disciplina para se alcançar o resultado tão sonhado”, finaliza o cirurgião plástico.

VOCÊ SABE FAZER DIETA?

Que mal tem comer um pote de granola? A comida japonesa não é uma excelente opção para o almoço já que é à base de peixe? Biscoito de água e sal é sempre uma boa opção para o cardápio de quem quer perder peso. Se você pensa desta maneira, prepare-se. A verdade é que a falta de sucesso da sua dieta pode estar nestas e em outras ideias equivocadas que você vem cultivando ao longo de sua vida.
"Do ponto de vista calórico, esses alimentos não são tão inofensivos. As pessoas precisam aprender a ler melhor o rótulo dos alimentos e se informar antes de comer. Muita gente não emagrece porque faz trocas que não valem a pena", alerta o nutrólogo Celso Cukier, do Hospital do Coração, em São Paulo.
Por ser seca e leve, muitas pessoas acham que as bolachas de água e sal e as torradas não engordam. Na verdade, lembra o médico, um pão francês equivale a 3 torradas ou 6 bolachas de água e sal. Segundo o Dr. Cukier, na dúvida, o ideal é optar por versões integrais ou com grãos. 
"As torradas ou bolachas integrais não só dão maior sensação de saciedade, como auxiliam no funcionamento do intestino, mas podem significar o mesmo em calorias que duas fatias de pão", pondera.
Uma porção de 100 g de granola pode ter mais de 400 calorias. "Ele contém frutas secas, cereais, açúcar e, às vezes, gorduras associados ao seu preparo. As pessoas não devem comer mais do que 3 colheres ao dia”, ressalta.
Os peixes são leves, ricos ômegas e saudáveis, mas isso não significa que a comida japonesa esteja liberada. Segundo o especialista, algumas opções podem minar a dieta de qualquer um, como o gyoza (200 calorias por unidade), hot roll (90 calorias por unidade) e temaki (com cream cheese, mais de 215 calorias). Já o molho shoyu, que pode até 26 calorias por colher, contém sódio em excesso - um agravante nas doenças cardiovasculares.
A aveia é ideal para ajudar no controle do colesterol e no funcionamento intestinal, mas é calórica. Uma colher tem 75 calorias, portanto, deve ser consumida com moderação por quem está em dieta.
“Nozes, amêndoas e castanhas são opções saudáveis para os lanchinhos intermediários durante o dia. Contém boas gorduras, minerais e antioxidantes, mas são calóricas. As pessoas devem controlar a compulsão e comer no máximo duas ou três unidades, cerca de 30 g por dia”, destaca.
E, para completar, ele desmitifica: “Também não adianta substituir o açúcar pelo mel. Sua vantagem é que não se trata de um produto industrializado. Uma colher de sopa possui cerca de 62 calorias, enquanto uma de açúcar, 100 calorias. Apesar de ser fonte de vitaminas do complexo B, sais minerais, cálcio, ferro, fósforo, potássio, proteínas e vitamina C, o mel não deve ser consumido à vontade, pois engorda", conclui o Dr. Cukier.
Engana-se também quem toma suco natural de frutas achando que as calorias são inexistentes. Pelo contrário. Um copo de suco de laranja tem 116 calorias. Entres os menos engordativos estão os de abacaxi, melão e limão.

SAIBA TUDO SOBRE ANEMIA

Quem nunca teve ou conhece alguém que tenha ou tenha tido anemia? Esta doença está se tornando cada vez mais comum e, por isso, menos preocupante, o que é um grande erro. Uma das causas mais frequentes do distúrbio é a deficiência de ferro, que pode acometer qualquer pessoa, sobretudo crianças menores de três anos de idade, mulheres e gestantes. 
A falta da substância pode ser causada por uma dieta pobre em nutrientes, pela falta de absorção do ferro pelo organismo e perda de sangue, como mulheres que têm menstruação excessiva, ou pessoas acometidas por tumores no tubo digestivo.
"O ferro está presente no interior dos glóbulos vermelhos - células sanguíneas responsáveis por levar o oxigênio às demais células do organismo -, sendo parte integrante de uma proteína chamada hemoglobina", explica o Dr. Rodolfo Cançado, professor adjunto da disciplina de Hematologia e Oncologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.
Segundo o acadêmico, pessoas com deficiência de ferro podem apresentar cansaço constante e sem motivo aparente, dor de cabeça, tontura, irritabilidade e falta de atenção. As crianças podem ter dificuldade de aprendizagem, infecções frequentes e atraso de crescimento. Já os adultos ficam menos tolerantes aos exercícios, têm menor rendimento no trabalho, além de outros sintomas como palpitação, falta de ar, desânimo, queda de cabelos e enfraquecimento das unhas.
"Os pacientes com este problema manifestam apetite por substâncias não alimentares como terra, gelo, macarrão cru, limão e giz. Estima-se que a ausência de ferro esteja presente em um terço da população mundial, o que representa cerca de 2 bilhões de pessoas", afirma.
De acordo com o Dr. Rodolfo, uma dieta que contém ferro inclui carnes em geral, que são ricas em ferro heme, como as vísceras, fígado, coração, peixe (sardinha em lata) e frango. Já o não-heme, presente no feijão, lentilha, verduras escuras (couve, brócolis, agrião, rúcula, espinafre e beterraba) é menos absorvido que o das carnes, mas também é importante.
Para enriquecer e melhorar a absorção da substância, o professor indica cozinhar os alimentos em panela de ferro e tomar um copo de suco de frutas cítricas (laranja, limão ou acerola) antes ou durante a alimentação.
"A vitamina C contribui para o aumento da absorção do ferro não-heme e reduz o efeito de fatores inibidores. A adição de 50 mg dessa vitamina é capaz de dobrar a absorção de ferro não-heme presente na mesma refeição", diz.
O especialista explica que o leite de vaca não é fonte de ferro e até prejudica sua absorção, a não ser que seja o materno ou fortificado industrialmente. "O fitato, fosfato e a gema de ovo diminuem a absorção e devem ser evitados. É indicada também a redução do consumo de chá, café e refrigerantes", fala.
O tratamento com medicamentos à base de ferro compreende sais ferrosos, como o sulfato ferroso e os sais férricos. "A duração é de, pelo menos, 90 dias, podendo se estender até seis meses. Algumas pessoas que apresentam melhora dos sintomas, param de tomar o remédio após 20 ou 30 dias, e a anemia volta logo depois. Para estabilizar a doença são necessárias de quatro a seis semanas e para elevar os estoques de ferro no organismo mais dois ou três meses", finaliza.

5 RAZÕES PARA FAZER MAMOGRAFIA

Ainda se discute muito sobre a idade ideal para fazer a mamografia. Mas, independente disso, é um consenso a importância deste exame na prevenção de algumas doenças femininas, entre elas, o câncer de mama.

O Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR), a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) e a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), com o objetivo de conscientizar mulheres de todas as idades, listaram 10 razões para fazer a mamografia:

1 - O risco do surgimento do câncer de mama decorrente da exposição anual à radiação (denominado de câncer radiogênico) é desprezível. Um estudo recente, publicado em 2011 no British Journal of Cancer, estimou que o rastreamento mamográfico evita 1.121 mortes a cada 100 mil mulheres rastreadas (entre 50 a 74 anos), enquanto pode induzir 1 câncer.

2 - A compressão do tecido mamário durante o exame NÃO causa a disseminação do câncer pelo corpo. Não existe nenhum estudo clínico ou laboratorial sério que demonstre que este tipo de disseminação mecânica ocorra.

3 - A capacidade de detecção do câncer em fase inicial, na qual as chances de cura são próximas a 100%, é maior com o uso da mamografia, mesmo sabendo da existência do falso-negativo (que existe em todos os métodos de imagem).

4 - A mamografia COMPROVADAMENTE REDUZ a mortalidade por câncer de mama. Esse fato foi demonstrado através de diversos estudos realizados na década de 70, envolvendo mais de 500 mil mulheres acompanhadas por mais de 18 anos, demonstrando uma redução na mortalidade de 15% até 45% em relação ao grupo de mulheres que não realizaram mamografia. Aliás, a mamografia é a único exame que, quando realizado de forma sistemática a partir dos 40 anos, comprovadamente reduz a mortalidade pelo câncer de mama.

5 - É um absurdo dizer que “a mamografia é um exame superado por outros mais modernos e eficientes, particularmente pela ULTRASSONOGRAFIA, a ELASTOGRAFIA e a RESSONÂNCIA MAGNÉTICA”. Qualquer médico com um mínimo de conhecimento sobre o diagnóstico do câncer de mama sabe que os outros exames (como a ultrassonografia e a ressonância magnética) auxiliam muito na avaliação das mamas, porém sempre após a realização da mamografia.

PELE BONITA NO VERÃO DEPENDE DOS CUIDADOS DURANTE O INVERNO

O Sol é um dos maiores vilões contra a nossa pele. Por isso, para mantê-la jovem e bem cuidada é essencial que se invista em tratamentos estéticos durante o inverno, quando os raios ultravioletas são menores e problemas como as manchas indesejadas podem ser combatidos mais facilmente.

O Dr. Alexandre Cercal, otorrinolaringologista de Curitiba, comenta que o inverno é a melhor época do ano para avaliar os “estragos” que o Sol fez na pele durante o verão. “Há cosméticos antimanchas que podem ser usados durante o ano todo, mesmo na praia, mas os tratamentos intensivos costumam obter um melhor resultado quando é possível reduzir a exposição da pele aos raios solares”, explica Cercal.

O especialista comenta que a maioria das manchas podem ser tratadas ou melhoradas em qualquer idade e seja qual for o tipo de pele. No entanto, é um processo que exige tempo, paciência e persistência. “Mesmo no inverno a pele continua exposta a uma dose de radiação solar que é suficiente para acelerar o envelhecimento ou o surgimento de manchas. Portanto, o filtro solar nas regiões descobertas, como rosto, colo e decote, mãos e braços, são sempre uma boa opção”, ressalta.

Além dos cremes e filtros solares, outra opção para manter a pele em dia é a realização de peeling – ou de um novo processo que “machuca” menos a pele e virou sucesso imediato nos consultórios médicos: o laser CO2 fracionado. “Essa técnica recupera a vitalidade da pele e tem várias funções, entre elas remover manchas, marcas de espinha, dar firmeza, suavizar rugas e estrias”, cometa Cercal.

Nesse procedimento, o laser atinge e esquenta as células superficiais e profundas da pele, eliminando-as. Isto estimula a renovação celular e ativa o colágeno, que remodela a pele. O feixe de luz fracionado mantém pontos microscópios da pele, por isso a recuperação é rápida, - mais do que a do peeling, por exemplo - levando até duas semanas.

O aspecto da pele continua a melhorar durante quatro a seis meses, pois o colágeno continua ativo, remodelando a cútis. Por ser um método menos agressivo, ele possui efeitos colaterais menores do que as outras opções disponíveis no mercado, por isso vem sendo muito procurado.

“A intensidade do procedimento pode variar de acordo com os objetivos de cada um e, principalmente, da pele de cada um. Podem ser necessárias de uma a quatro sessões para resultados mais satisfatórios, de acordo com o aparelho e a potência escolhida pelo profissional”, comenta Cercal.

Porém, o especialista lembra que o melhor cuidado ainda é a proteção. “Nenhum tratamento corretor tem um efeito definitivo, nem mesmo os procedimentos médicos mais avançados. A pele tratada volta a manchar se for novamente exposta ao sol sem proteção. Por isso, o melhor cuidado que existe é mesmo uma proteção solar constante, adequada, seja no inverno ou no verão”, conclui.